quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Oroborus: 2015


[PORTUGUÊS]
Como não dá para prever o que será do blog no próximo ano, digamos então as bandas que por aqui passaram desde Outubro. E foram muitas! Muitas bandas sensacionais daqui do Brasil e de fora dele. Bandas excepcionais, cada uma com seu estilo próprio e que mesmo hoje sendo underground, elas merecem atenção do mundo todo.

Deixamos aqui também, além de nossos elogios, nossos agradecimentos à cada uma das bandas que passaram por nossas mãos durante esses quase três meses de blog. Cada uma das bandas foi importantíssimas para nós, seja em resenhas, em entrevistas ou em especiais de female vocal. Porque acima de tudo são bandas que nós gostamos e muito. Portanto, como fazemos em cada postagem, hoje também desejamos sucesso à cada um de seus integrantes e ao grupo em geral.

Abraços e continuem no metal, continuem acompanhando o underground!

De todo nosso coração,
Caterine Souza e Renan Martins



[ENGLISH]
Once we cannot predict what will be the blog's next year, so let's talk about the bands that passed through here since October. And there were so many! Many sensational bands here in Brazil and abroad. Exceptional bands, each with its own style and that even that today they are underground one, they deserve the worldwide attention.

We leave here too, beyond our sincere compliments, our thanks to each of these bands that have passed through our hands during these almost three months of blog. Each band was very important for us, whether in reviews, interviews or female vocal specials. Because, above all, they are all bands that we sincerely like a lot. So, as we do in every post, today also wish success to each of its members and the group in general.

Hugs and stay metal, stay tunned to the underground!

Sincerely,
Caterine Souza and Renan Martins

[English] Kataphero: remarkable and immersed in its own conceptuality












Location: Natal, Brazil

Paulo Henrique Santiago (vocals, guitar)
David Cantídio (guitar)
Lucas Somenzari (drums)
Phelippe Mello (bass)

Genre: metal


Kataphero is an exceptional band at first heard. The metal brought by them sounds almost transcendental. I had the opportunity to attend thir first show in Sao Paulo and, frankly, it was one of the best shows of my entire life. Check right below the interview we did with the vocalist and guitar player, Paulo Henrique Santiago, while we were still under the name of the G.Grind blog.

1. Hello, Kataphero! First, I would like to thank you on behalf of G.Grind blog for this interview opportunity with you guys. Right away, when you meet a band, the first thing you glance at would be the name you chose for it. Kataphero is a name that sounds as strong as its metal proposal style. What's the story behind it?

We thank you for the opportunity of this conversation, Cat. Well, at the beginning of the band, we already had compositions and we were rehearsing for the demo recording. As our influence came from the Greek extreme metal, we seek words in Greek to reinforce this idea. According to the proposal of the band, we start from the prefix kata which means "down," "under," or even "against". Kataphero would literally be to "put something down"; or something like "overcome". But nowadays, it takes several meanings. Alone, it doesn't even make sense. Yet, the most used in the present Greek forms are Katapherno (I can) Na Kataphero (I can), Tha Kataphero (I will be able to). And, according to a Greek colleague: "Actually, 'get' is not a good translation." Anyway ... Kataphero is the band. (Its "E" is pronounced 'cataFÉroh', with "E" open, "O" with sound "O", not with the sound of "U")




2. Personally, something that intrigues would be the creation of band logos, because these represent them anywhere they are seen. It is as if the logo comes seconds before the sound itself to the public. So how was to create Kataphero's logo?

Our first logo came out for a more immediate question, arose from a common source. We chose it more because of the demo's releasing than anything else (we had to record and release a demo to get into a small festival. Also, it was our first performance). Then, more calmly, we decided to create a logo that represents our proposal.




3. "We are nobodies" is what you see when looking for the members in the band's Facebook page. How was to pick each of these "nobodies" for Kataphero?

We're just people who gathered in a band like any other. I don't remember when it was placed there on the page. I think it was David (guitar). I honestly do not know why and also I see no problem with that. The focusgoes entirely to what the band produces, putting aside the individuals behind it . (Although, in my view, I find interesting to talk to people.)


From left to right: Mello, Santiago, Cantídio and Somenzari



4. Each of us has life experiences on musical stuff that we carry with through our entire life - not only on the only metal world - and this contributes greatly to the identity of a musical group. What influences did each of you bring to Kataphero?

On the first formations, Kataphero sounded like the line of extreme metal bands from Greece. It was a unanimous influence. (Before Kataphero in the late '90s, we had already played - even together - on bands that used more cadenced sounding). With the current lineup, the straightest compositions gave way to more rhythmic elements and harmonic variations. We always comment that our influences are not always metal or even the musical ones - we are inspired a lot in other art forms.




5. Now, talking a little more about the sound, from albums that you guys have released, 'Life' and 'From Dust', one can notice an inclination to more conceptual albums. Why this preference?

As I alone began writing and recording songs without pretension to form a band or release an album, etc., 'Life' (2012) became a roundup of all the songs I had been composing since 2008. Also during the pre-production process, in 2011, we started writing new material for a future album. With the change of formation, we began discussing the next project and we got the idea of ​​the conceptual album through an almost complete history written by David. We decided to follow this idea because we thought it would be interesting not only looking the result, but also the whole process.



6. Focusing more on the first album, the magnificent 'Life', can you tell us a little bit of how was the writing and recording processes. I remember seen a video that you talked about the cover art, such an amazing artwork done by Ricardo Tinoco.

As I said earlier, 'Life' was a summary of all the songs that had been composing since 2008. With the rehearsals in 2009, the demo and the shows in 2010, we started 'Life' pre-production in 2011. I remember that we rehearsed enough for the recording; I recorded guitars and samples with metronome for specific drums and vocals tests. We recorded the drums in a day, as scheduled, and the rest was recorded in my homestudio. The art was made by Ricardo Tinoco, an artist of our city, which has a studio where he teaches artistic drawing to children and adults. Please, check it: Atelie Ricardo Tinoco.


 'Life' is, in fact, magnific since its artwork by Ricardo Tinoco.

7. You recently toured for 'Life' here at southeast of Brazil, right? How was this experience for you guys? Did you feel that the public here was hospitable to Kataphero?
We did a short tour through Bahia, Minas Gerais and São Paulo. It was an interesting experience because we got the opportunity to meet people and places that were very important for us as a band, as musicians and as human beings. The reception varied greatly... I do not think you can judge states and cities so easily, especially because we were there for the first time; and yet, the whole atmosphere largely depends on the day, on the disclosure and on the people there. Overall, we felt welcomed and respected in every town we passed in these three states.


8. The recently released 'From Dust' was also a great job, made with the Kataphero's majesty I'm already aware since the previous project. How was to produce it? Was it more hard-working than 'Life'?
The composition process, pre-production and recording were different. The band was involved in more activities on this latest album. In 'Life' I started the compositions alone, writing lyrics and music. Always recording at home, including programming the drums and the arrangements of samples (ambiance and orchestration). During rehearsals, we reorganized the song details and whenever possible, I re-recorded it to listen more calmly how it was sounding. I have already spoken of the tests we did in pre-production: many with the band to set arrangements, changes, etc.; and some of them only with voice and drums - or just the drums (as the drummer had to go the studio practice the tracks).
On 'From Dust', we start from a story created by David and the idea of ​​making an album that would follow the structure of a Greek tragedy. We had to relate the events of history in key points of a tragedy, organize the flow of the narrative threads to limit what each song would encompass. Lucas left the drums all mic-ed and whenever we need it, we just go and record it properly. Anyway, they were very different processes, each with their difficulties and work demands. I think the process of 'From Dust' was more intense because it had more minds involved in a shorter period of time. There were more meetings and "ease" of work - we planned everything since the small initial steps on the composition. I don't think both albums were laborious in order to load so much weight to their processes; all demanded work, we committed ourselves to do it. And they worked out ... The thrid part of the story, our thrid album, 'To Dust', will surely give us lot of work to do. It will follow the same process - with most of it already done.

This artwrok for 'From Dust' comes from an idea of some stone age painting by Genival Jr and Leonardo Matos.


9. It can be seen that Kataphero is very present in the "local scene", by playing in several festivals in the Brazilian Northeast or participating in Northeast bands collections - such as the 'Conquerors Of Brazil: Northeastern Extreme Metal Legions' - which shows that support there is quite dense. How is Kataphero seen by the audience?

We are not such an active band as much as we want to, but we try to maintain sporadic performances, whether at festivals or interesting shows here. Indeed, we received support from various people and this makes it much easier on concerts schedule, festivals, collections and so on. In addition to 'Conquerors of Brazil', we've participated in a Brazilian tribute to Moonspell, "Em nome do medo" (free translation, "On behalf of fear"), from Portugal with the song Once It Was Ours. We have already received other invitations to collections that did not work out. Recently, we participated in an online interview for RockMetal Radio that can be heard here: Kataphero in RockMetal. I think our audience creates positive expectations about our songs and performances. This demonstrates that, in some way, people have been looking for something in the band: be a peculiarity in sound or the way we present ourselves, or both. In addition to the bangers, we received feedback from people who do not usually live in the metal world, but who listen to our music and attend the shows. This is very interesting and gives us great satisfaction.




10. Kataphero had the opportunity to share the stage with the Greeks of Rotting Christ, a similar band to you, according to the Encyclopaedia Metallum. Tell us about how was such an event like that!

The show was the first date of Rotting Christ in Brazil for the 2013 tour. It was organized by the great Mitchell (ex-Hammeron, ex-Sanctifier) and also we featured Primordium and Sanctifier at the opening. It was a very professional and historical event for our state.



11. One important point, I see when I hear or watch Kataphero's videos is the emphasis you guys give to the theatrical side that all music/presentation has -. Either as the participation of Bololo Cia Cênica in the wonderful 'Entities' on the show with RC or your posture on stage -. How important is this emphasis on the band?

Always start from the artistic principle of creation and communication of what we spend. First, we pass it through music because that's what we do. But we recognize that there are other ways to communicate what we want. We did a show (Lifetime, 2012) in a theater here in Natal, through cultural edict Cena Aberta (free translation 'Open Scene'), involving music, scenery, video, theater/performance and choirs. 'Entities' (presented at the opening to Rotting Christ, in 2013) was the name we gave to this track which we were writing since 2011, even during the recording of 'Life'. (In fact, it is divided into two stages, are the 'Bleak' and 'Seed' tracks of 'From Dust'.) The Bololo Cia. Scenic is a group with which we tuned in addition to 'Entities', they participated in the Lifetime show, and 'Ekstasis' clip that will come out in 2016. In short, we always try to express ourselves through whatever seems valid.

Costumes and make-up of Bololô Cia. Cênica to the 'Entities' performance. Check here.




12.
Viewing photos, it's noticeable that you guys adopt visuals on shows occasion. How is to merge the look with the sound?

Since we started the writing process of 'From Dust', we chose to reinforce this idea of ​​valid expressions. We decided to make the costumes based on the story behind this album and the next, 'To Dust'. We did with our friend Juao Nin, from the Ak-47 (who today lives in São Paulo) and Fátima Rocha, who works with many artistic and theatrical costumes in Natal.




13. I believe with a sound like Kataphero does, the reviews and awards would soon arrive. How do you feel when reading reviews of zines as Stay Heavy, Heavy Nation, among other sites about Kataphero's works? What about premium displays such as The Hangar Music?

It is extremely satisfying to know that there are people interested in our art. Find reviews, comments and critics in the media make us very motivated. The Hangar Music Prize is an award that seeks to recognize, value and encourage the culture of our city and our state. We feel slightly displaced because it was the first time we were nominated and just as Band of the Year in 2014. But anyway ... It was very nice to know that extreme metal is recognized as popular meanings and as culture of our city, of our state and hence the country.




14. Now, talking a little glance at a not so distant future, we see that you guys began preparing a videoclip to the song 'Ekstasis' on 'From Dust' album. How have you been? What is the release date?

The experience was fantastic. We traveled to Porto do Mangue, 240km away from Natal and it is basically a large fishing village with just 5000 inhabitants. We shot in Dunas do Rosado, well-known scenario of Brazilian productions. We woke up early in the morning and we set off to the dunes taking all equipment with the car as far as we could... Then, we had to climb dunes and more dunes by feet with all the equipments. It was still dark when we left our beds and went to gather all the equipment, set the scenario and design and costumes. Dawn and we started recording until lunchtime. Then, we returned to the city just to eat and then we went to the dunes. The same process. Until the nights come. The hostel served as headquarters to evaluate the day and rearrange the next one. It was something intense and difficult, but very good. The forecast had released the clip still in 2015, but we've waited because of a health problem with our brother Icarus Firmino (ex-Hostile Inc) who directed the clip and the person who was editing it for us. We believe that in January of 2016, 'Ekstasis' clip will be released.


 During the recording for 'Ekstasis' videoclip at Dunas do Rosado. Photo by Maximiliano Leguiza.



15.
Still on the future, how is Kataphero's touring schedule for this end of 2015?

In November, we attended Dosol Festival again in the Christmas edition, and in Caicó and Santa Cruz. Now in December, we will make our last show of the year, December 18th with Primordium and Domination (Pantera Cover) at Whiskritório.




16. To finish this interview, thank you again, on behalf of G.Grind, for your time and attention. I wish all the best to you and to Kataphero, of course. This final space is for you!

We thank you, Cat. Thanks for the talk, for the space given to us and the positive votes. Contact us for anything just by searching Kataphero on the digital medias. Hugs to everyone!
 



Posted by Caterine Souza

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Kataphero: natalense, singular e imersa em conceitualidade própria



Localização: Natal, RN

Paulo Henrique Santiago (vocal, guitarra)
David Cantídio (guitarra)
Lucas Somenzari (bateria)
Phelippe Mello (baixo)

Gênero: metal
Kataphero é uma banda excepcional desde a primeira ouvida. O metal trazido por eles soa quase transcendental. Tive a oportunidade de assistir à uma apresentação deles em São Paulo e, sinceramente, foi um dos melhores shows da minha vida.  Confiram abaixo a entrevista que fizemos com o vocal e guitarrista, Paulo Henrique Santiago, ainda sob o nome do G.Grind.

1. Olá, Kataphero! Primeiramente agradeço em nome da G.Grind a oportunidade de entrevista com vocês. Logo de cara, quando se conhece uma banda, depara-se com o nome que escolheram para ela. Kataphero é um nome soa tão forte quanto a proposta de som de vocês. Qual é a história por trás dele?

Nós que agradecemos a oportunidade da conversa, Cat. Bem, no inicio da banda nós já tínhamos composições e estávamos ensaiando para gravação da demo. Como nossa influência vinha do metal extremo da Grécia, procuramos palavras em grego para reforçar essa ideia. De acordo com a proposta da banda, partimos do prefixo kata: “para baixo”, “sob”, ou até mesmo “contra”. Kataphero seria, literalmente, colocar algo para baixo; ou algo como “sobrepujar”. Porém, hoje em dia, ela assume vários significados. Sozinha, inclusive, ela não faz sentido. Já as formas mais utilizadas no grego atual são Katapherno (eu consigo) Na Kataphero (eu consigo), Tha Kataphero (vou conseguir). E, segundo um colega grego: “na verdade, ‘conseguir’ também não é uma tradução boa”. Enfim... Kataphero é a banda. (E pronuncia-se cataFÉroh; com “e” aberto e “o” com som de “o”, não com som de “u” comum no português.)



2. Pessoalmente, me intrigam logos que as bandas criam, porque estes a representam em qualquer lugar que são vistos. É como se o logo chegasse segundos antes ao público do que o próprio som. Assim, como foi criar o de vocês?

Nossa primeira logo, por questão mais imediata, surgiu de uma fonte comum. Escolhemos mais pela necessidade do lançamento da demo (tivemos que gravar e lançar uma demo para entrar em um pequeno festival: que foi nossa primeira apresentação). Depois, com mais calma, optamos por criar um logo que representasse nossa proposta.



3. “We are nobodies” é o que se vê quando se procura sobre os integrantes na página da banda no Facebook. Como foi escolher esses “nobodies”?

Somos apenas pessoas reunidas com uma banda, como qualquer outra. Não lembro quando isso foi colocado lá na página. Acho que foi o David (guitarrista). Sinceramente, não sei porque está assim; também não vejo problema. O foco acaba ficando mais no que a banda produz do que nos indivíduos. (Apesar de, no meu ponto de vista, achar interessante conversar com as pessoas.)

Da esquerda para a direita: Mello, Santiago, Cantídio e Somenzari


4. Cada um tem uma vivência, carrega experiências com muitos tipos de som – nem sempre só do mundo do metal – e isso contribui imensamente para a identidade de um grupo musical. O que cada um de vocês trouxe como influências para o Kataphero?

Nas primeiras formações soava mais a linha das bandas de metal extremo da Grécia, pois era uma influência unânime dos membros. (Antes da Kataphero, no final dos anos 90, já tínhamos tocado – inclusive juntos – em bandas nessa pegada mais cadenciada). Com a atual formação, as composições mais retas foram dando lugar a mais elementos rítmicos e variações harmônicas. Sempre comentamos que nem sempre nossas influências são do metal ou até mesmo da Música – nos inspiramos muito em outras formas de arte.



5. Agora, falando um pouco mais de som, a partir dos álbuns que já lançaram, ‘Life’ e ‘From Dust’, se percebe uma inclinação a lançar álbuns mais conceituais. Por que desta preferência?

Como iniciei compondo e gravando sozinho as músicas sem pretensão de formar banda, lançar álbum, etc., o “Life” (2012) se tornou um apanhado de todas as músicas que eu vinha compondo desde 2008. Ainda durante o processo de pré-produção, em 2011, começamos a compor novos materiais para um álbum futuro. Com a mudança de formação, começamos a discutir o próximo projeto e chegamos a ideia do álbum conceitual através de uma história quase pronta do David. Decidimos fazer seguir essa ideia porque achamos que seria interessante não só o resultado, mas também o processo.



6. Focando mais no primeiro álbum, o magnífico ‘Life’, contem-nos um pouco de como foi o processo de composição e gravação. Lembro-me de ter assistido a algum vídeo que falavam sobre a arte de capa, o artwork incrível feito por Ricardo Tinoco.
Como falei anteriormente, o “Life” foi um apanhado de todas as músicas que vinha compondo desde 2008. Com os ensaios em 2009, demo e os shows em 2010, começamos a pré-produção em 2011. Lembro que ensaiamos bastante para a gravação; gravei guitarras e samples com metrônomo para ensaios específicos de bateria e voz. Gravamos a bateria em um dia, como programado, e o restante foi gravado no meu homestudio. A arte foi feita pelo Ricardo Tinoco, artista plástico da nossa cidade, que possui um ateliê onde ministra cursos de desenho artístico para crianças e adultos Atelie Ricardo Tinoco.


'Life' é, de fato, magnífico desde sua arte de capa por Ricardo Tinoco


7. Recentemente, vocês fizeram uma tour do ‘Life’ aqui pelo Sudeste, certo? Como foi para vocês esta experiência? Como sentiram a galera daqui recebendo a banda Kataphero?

Fizemos uma pequena turnê passando pela Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Foi uma experiência interessante pois conhecemos pessoas e lugares importantes para nós enquanto banda, músicos e seres humanos. A recepção variou bastante... Acho que não dá para avaliar estados e cidades assim facilmente, principalmente pelo fato de termos ido pela primeira vez; e, ainda assim, toda a atmosfera depende muito do dia, da divulgação, das pessoas ali presentes. No geral, nos sentimos bem acolhidos e respeitados em todas as cidades por onde passamos nesses três estados.



8. O recém-lançado ‘From Dust’ também se mostrou um ótimo trabalho, feito com a mesma maestria do Kataphero que vimos no projeto anterior. Como foi produzi-lo? Foi mais trabalhoso do que ‘Life’?

Os processos de composição, pré-produção e gravação foram bem diferentes. A banda se envolveu em mais atividades nesse último álbum. No “Life” iniciei as composições sozinho, escrevendo letras e músicas. Sempre gravando em casa, inclusive programando a bateria e os arranjos dos samples (ambientação e orquestração). Durante os ensaios reorganizávamos os detalhes das músicas e, sempre que possível, eu regravava para ouvirmos com mais calma como soaria. Já falei dos ensaios que fizemos na pré-produção: muitos com a banda para definir arranjos, viradas, etc.; e alguns deles só com voz e bateria – ou somente a bateria (visto que o baterista precisava ir o estúdio treinar as músicas).
No “From Dust” partimos de uma história criada pelo David e da ideia em fazer um álbum que seguisse a estruturação de tragédia grega. Tivemos que relacionar acontecimentos da história em pontos essenciais de uma tragédia, organizar a fluidez da narrativa em tópicos para limitar o que cada música abarcaria. Deixamos a bateria do Lucas toda microfonada e sempre que necessário gravávamos. Enfim, foram processos bem diferentes, cada um com suas dificuldades e demandas de trabalho. Acho que o processo do “From Dust” foi mais intenso pelo fato de se ter mais mentes envolvidas em um espaço de tempo menor (em relação ao “Life”), porém com mais encontros e “facilidade” de trabalho – planejamos tudo desde os pequenos passos iniciais para compor. Não acho que ambos os álbuns foram trabalhosos no sentido de carregar um peso no processo; todos demandaram trabalho, que nós nos comprometemos a realizá-lo. E deram certo... Assim como dará a segunda parte da história, nosso terceiro álbum: “To Dust”, que segue o mesmo processo – com boa parte já pronto.


A arte de capa de 'From Dust' é a representação de uma pintura rupestre por Genival Jr e Leonardo Matos.




9. Percebe-se que o Kataphero é bem presente na ‘cena local’, seja tocando em diversos festivais na região nordestina ou participando de coletâneas de bandas do Nordeste – como a ‘Conquerors Of Brazil: Northeastern Extreme Metal Legions’ -, o que mostra que o apoio ali é bastante denso. Como o Kataphero é encarado por seu público?

Não somos uma banda tão ativa o quanto queremos, mas procuramos manter apresentações esporádicas, seja em festivais ou shows interessantes por aqui. Realmente, recebemos apoio de várias pessoas e isso facilita bastante em escalações de shows, festivais, coletâneas e afins. Além da Conquerors of Brazil, participamos de um tributo brasileiro “Em nome do medo” ao Moonspell de Portugal com a música Once It Was Ours. Já recebemos outros convites para coletâneas que não se concretizaram. Recentemente participamos de uma entrevista online pela Radio RockMetal que pode ser escutada aqui: Kataphero na RockMetal. Creio que nosso público cria expectativas positivas sobre nossas músicas e apresentações. Isso demonstra que, de alguma forma, as pessoas tem procurado algo na banda: seja uma particularidade no som, seja a maneira como nos apresentamos, ou ambos. Além dos bangers, recebemos feedback de pessoas que não costumam conviver no meio do metal, mas que escutam nosso som e comparecem aos shows. Isso é bem interessante e nos traz uma imensa satisfação.



10. Kataphero teve oportunidade de dividir palco com os gregos da Rotting Christ, uma banda similar a vocês, segundo o Encyclopaedia Metallum. Contem-nos sobre como se deu tal evento!

O show foi a primeira data da Rotting Christ no Brasil para a turnê de 2013. Foi organizado pelo grande Mitchell (ex-Hammeron, ex-Sanctifier) e contou também com Primordium e Sanctifier na abertura. Foi um evento muito profissional e histórico para o nosso estado.
11. Algo pungente que vejo, quando ouço ou acompanho vídeos/shows do Kataphero, é a ênfase que dão ao lado mais teatral que toda música/apresentação tem – seja como a participação da Bololô Cia. Cênica na maravilhosa ‘Entities’ no show com a RC ou pela postura de sempre de vocês no palco -. Qual a importância dessa ênfase para a banda?

Sempre partimos do princípio artístico, da criação e comunicação do que queremos passar. Primeiramente, transmitimos isso através da música porque é isso que sabemos fazer. Mas reconhecemos que há outras formas de comunicar aquilo que queremos. Fizemos um espetáculo (Lifetime, em 2012) em um teatro aqui em Natal, através do edital cultural Cena Aberta, que envolvia música, cenário, vídeo, teatro/performance e coral. “Entities” (apresentada na abertura pro Rotting Christ em 2013) foi o nome que demos a faixa que estávamos compondo desde 2011, ainda durante as gravações do “Life”. (Na verdade, ela está dividida em dois momentos, são as faixas Bleak e Seed do “From Dust”.) O Bololô Cia. Cênica é um grupo com o qual temos sintonia, além de “Entities”, eles participaram do espetáculo Lifetime, e do clipe de Ekstasis que sairá em 2016. Resumindo, sempre buscamos nos expressar através daquilo que nos parece válido.

Figurino e maquiagem da equipe Bololô Cia. Cênica para a performance 'Entities'. Confira aqui

12. Vendo fotos, repara-se que vocês adotam visual próprio em algumas ocasiões. Como é casar o visual com a sonoridade?

Desde que começamos o processo de composição do “From Dust”, optamos por reforçar essa ideia das expressões válidas. Decidimos compor o figurino baseado na história por trás desse álbum e do próximo, o “To Dust”. Fizemos com nosso amigo Juão Nin da banda Ak-47 (que, inclusive, atualmente reside em São Paulo) e com Fátima Rocha, que trabalha com muitos figurinos artísticos para teatro em Natal.



13. Creio que com um som único como o que vocês fazem, as reviews e prêmios não tardariam a chegar. Como se sentem ao ler resenhas de zines como Stay Heavy, Heavy Nation, entre outros sites? E quanto a indicações de prêmio como o Hangar de música?

É extremamente satisfatório saber que há pessoas interessadas na nossa arte. Encontrar resenhas, comentários e críticas nas mídias nos deixam bastante motivados. O Prêmio Hangar de Música é uma premiação que visa reconhecer, valorizar e incentivar a cultura da nossa cidade e do nosso estado. Nos sentimos pouco deslocados porque foi a primeira vez em que fomos indicados e justamente como Banda do Ano em 2014. Mas, enfim... Foi muito legal saber que o metal extremo é reconhecido no meio popular e enquanto cultura da nossa cidade, do nosso estado e, consequentemente, do país.



14. Agora falando um pouco sobre um futuro não tão distante, vê-se que começaram a gravação para o clipe ‘Ekstasis’. Como tem sido? Qual a previsão de lançamento?

A experiência foi fantástica. Viajamos para Porto do Mangue, 240km de Natal, basicamente uma grande vila de pescadores com pouco mais de 5 mil habitantes. Filmamos nas Dunas do Rosado, cenário bem conhecido de produções brasileiras. Acordávamos de madrugada e partíamos para as dunas levando todo o equipamento com o carro até onde conseguíamos... Depois tínhamos que subir dunas e mais dunas a pé com tudo nos braços. Tudo escuro para montarmos os equipamentos, cenografia e figurino. Amanhecia e gravávamos até a hora do almoço. Voltávamos para a cidade só para comer e depois retornávamos às dunas. Mesmo processo. Até escurecer. A pousada servia de QG para avaliarmos o dia e reorganizar o dia seguinte. Foi intenso e difícil, mas muito bom. Tínhamos a previsão de lançar o clipe ainda em 2015, mas estancamos devido a um problema de saúde com nosso brother Ícaro Firmino (ex-Hostile Inc) que dirigiu e está editando. Acreditamos que em Janeiro lançaremos o clipe de Ekstasis.

Durante a gravação do clipe de 'Ekstasis' nas Dunas do Rosado. Foto por Maximiliano Leguiza





15. Ainda sobre futuro, como está a agenda de shows da Kataphero para este fim de 2015?

Em Novembro, participamos do Festival DoSol novamente, nas edições de Natal, e nos interiores do RN: Caicó e Santa Cruz. Agora em Dezembro, faremos nosso último show dia 18 com a Primordium e a Domination (Pantera cover) no Whiskritório.



16. Para finalizar esta entrevista, novamente agradeço em nome da G.Grind pelo tempo e atenção de vocês, desejo conquistas e sucesso para vocês todos e deixo este espaço livre com o Kataphero!

Nós que agradecemos, Cat. Obrigado pela conversa, pelo espaço cedido à nós e pelos votos positivos. Para qualquer contato nos procure nas mídias digitais. Abraço a todos!



Postado por Caterine Souza

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

[English] Unhuman: Unhuman


Technical/Progressive Death Metal


Originally written in Portuguese by Renan Martins
Translated to English by Caterine Souza




To be sensational means to be Unhuman which also means this band. Unhuman is a wonderful band from Canada.

Unhuman brings an impeccable versatility and it's full of what would be called soul's insane creativity. Unhuman is a truly flawless and amazing band.

On their only album entitled 'Unhuman', which came out via Galy Records, shows us such a great, great band. To say Unhuman is less than that would be a mistake.
This work's cover art is already really different that conveys technology stuff and other different world with impact. Its cover art is something which, by the way, can also bring a strong combination among the songs on the album.

'Chaotic Equilibrium' is the first track and it starts already bringing chaos and all the destruction that this band can merge with their instruments' sound in the best possible way.
The vocals go through different techniques and still manage to uniquely combine all elements with the cover art and the instruments themselves. The guitar and the bass can at times make all the atmospheric climates this band calls up into an awesome junction by bringing a peaceful and yet different side that throws you into the universe, which makes you closer to other planets.

The track 'Pensées Douces...' begins with all the attentions to the guitar. Of course with a lot of energy from the drums once it is exploring the best possibilities on creating their animal and destroyer sounding. The vocal can play the closed guttural to acute one and vice-versa in a very fast way. This switch of vocals techniques makes a very different atmosphere. This shows that Unhuman is able to be flawless and amazing on every single song.

A very important and different point of this band is their ability to join the Progressive Death Metal by pulling all their creative musicians and their own souls to perform so well done without letting the weight die. Yet, they are able to join their progressive death side to the Technical Death Metal. It isn't something easy once the Technical Death has a very sour and fast feature when producing instrumental lines, but the band can fit them perfectly, not let anything get out of their control, or out of the Technical or Progressive Death, and most importantly, the band never ever leaves originality away from their creating.

Probably the best song on the album is the track entitled 'Once Again' . This world needs to listen to this song, needs to learn that the bass can be one of the most important instruments of a band by listening to 'Once Again'. The bassist did this introduction really something that can stick your flesh and make your soul feel free to go to another planet.

You will hardly find a song with such great power on bass and as well made and thought out like this one, because it's unique.
Vocals are incredible and all goes perfectly. Drums are working flawlessly. Guitar brings a poetic side and a lot of energy to this song.

A really distinguished work from a very distinguished band.





Posted by Caterine Souza

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Unhuman: Unhuman




Technical/Progressive Death Metal


Ser sensacional é ser Unhuman, a banda que nasceu no Canada.

Unhuman traz uma versatilidade impecável e criatividade da insanidade da alma, uma banda realmente impecável e surpreendente.

Em seu único álbum intitulado “Unhuman” que saiu via Galy Records, a banda foi formidável, menos que dizer isso seria um erro.
A arte de capa da banda já é algo realmente diferenciado que consegue transmitir algo de tecnologia e outro mundo com impacto, algo que por sinal consegue trazer também uma combinação muito forte com as músicas do álbum.

Chaotic Equilibrium é a primeira faixa e ela já começa trazendo todo o caos e toda a destruição dessa banda que consegue juntar o som de todos os instrumentos da melhor forma possível.
O vocal consegue passar por diferentes técnicas e ainda consegue de forma única combinar todos os elementos com a arte de capa e com o próprio instrumental. A guitarra junto do baixo consegue em alguns momentos fazer uma junção de climas atmosféricos trazendo uma paz e um lado diferente que te joga para o universo e te deixa mais próximo de outros planetas.

A faixa “Douces Pensées...” começa com uma guitarra trazendo toda a atenção para ela com muita energia junto de uma bateria que explora da melhor forma as possibilidades de criar a sua sonoridade animal e destruidora. O vocal consegue jogar o gutural super fechado para o agudo de uma forma muito rápida e isso deixa a atmosfera muito diferente e consegue a cada música mostrar que essa banda tem uma qualidade impecável e surpreendente.

Um ponto muito importante e diferente dessa banda é a capacidade para juntar o Progressive Death Metal que puxa toda a criatividade e alma dos músicos para executar de forma bem feita sem deixar que o peso morra e juntar isso com o Technical Death Metal não é fácil, uma vez que o Technical Death Metal tem uma característica muito ácida e rápida no momento de criar a linha em instrumental, mas a banda consegue juntar isso de forma perfeita e não deixar que nada fique fora, nem o Technical Death Metal, nem o Progressive Death Metal e o mais importante, a banda não deixa em momento algum faltar originalidade.

Provavelmente a melhor música do álbum é a faixa intitulada “Once Again” e agora o mundo precisa escutar essa música para aprender que o baixo pode ser um dos mais importantes instrumentos de uma banda. O que o baixista fez nessa introdução foi algo realmente que consegue furar sua carne e mostrar pra sua alma que ela está livre para ir para outro planeta.

Dificilmente você vai achar uma música com um poder tão grande no baixo e que consiga ser tão bem feita e bem pensada igual essa, mas essa consegue ser única de qualquer forma.
O vocal é incrível e combina perfeitamente. A bateria consegue ser carregada e consegue trabalhar de forma impecável e a guitarra traz um lado poético e com muita energia para a música.

Um trabalho realmente diferenciado de uma banda que é diferenciada.



Postado por Renan Martins

domingo, 27 de dezembro de 2015

[English] Sanna Salou: obscurity and poetry in just one voice





Originally written in Portuguese by Renan Martins

Translated to Eglish by Caterine Souza

Dark/Death/Gothic Metal






Sanna Salou, you might not remember her name, but you know the voice of this amazing woman.

If you don't know by name, it's okay to know that she is the amazing vocalist who made the album 'Psychosynthesis' enter in Gothic Metal's eternal path.

'Psychosynthesis' is the album of the band called Dimlight. It's a band that has such a great power within the Gothic Metal and specific on this album, it managed to put all energies by creating something really destructive and striking with top tunes.

The powerful instrumental is actually an excellent start for all tracks, but the magic appears when Sanna Salou begins to sing and she can take all the fans to another world with her sweet and powerful voice.

A great example of what is to join the weight of an instrumental played on amazing band that pullsus into the Gothic Metal more than anything. Some great example of this destroyer band would be this dark and deathly track 'Agonize' which leaves a very large emphasis on the vocals of Sanna, vocals that are in no time missing poetry and beauty.
Her singing is sweet and full of feelings, making it really good to listen to. Her vocals complete the band perfectly once it blends with the heavy and dark instrumentals.




'Lucid Dreams' is a track that can bring all the soul of  Dimlight. It also brings brutality and melody. In the other hand, it brings love and obscurity and also drama and poetry . In all of this we can see her guttural with the beautiful voice of this pretty woman who can always surprise us by her unique capacity which shows that she can go to the sharper side possible for something quieter ou lighter. She is really an excellent singer.

Sanna Salou was part of the band Emerald Sun too, at live gigs. Today, she is not in Dimlight anymore, but she's showing everyone her amazing qualities as a great, great vocalist in Oracles Cult.



Postado by Caterine Souza

sábado, 26 de dezembro de 2015

Sanna Salou: obscuridade e poesia em uma única voz



Dark/Death/Gothic Metal


Sanna Salou, talvez você não se lembre desse nome, mas você conhece a voz dessa mulher incrível.

Se você não conhece por nome, saiba que ela foi a incrível vocalista que fez o álbum Psychosynthesis entrar para a eternidade no Gothic Metal.

Psychosynthesis é o álbum da banda Dimlight, banda que tem um poder muito grande dentro do Gothic Metal e em específico nesse álbum a banda conseguiu colocar todas as suas energias e criar algo realmente destruidor e marcante com melodias de primeira linha.

O poderoso instrumental é realmente um começo excelente para todas as faixas, mas a mágica aparece quando Sanna Salou começa a cantar e leva todos os fãs para outro mundo com sua voz doce e poderosa.

Um exemplo formidável do que é juntar o peso de um instrumental de uma banda incrível que puxa o Gothic Metal mais do que qualquer coisa, mas também junta com um pouco de Dark e Death é a faixa “Agonize” que deixa um destaque muito grande para o vocal da Sanna que não deixa e momento algum faltarem poesia e beleza.
Sua forma de cantar doce e com sentimento é realmente muito boa de escutar e completa a banda perfeitamente, combina perfeitamente com o instrumental pesado e obscuro.



Lucid Dreams é uma faixa que consegue trazer tudo que existe na alma dessa banda, traz brutalidade e também melodia. Traz amor e obscuridade. Traz drama e poesia e dentro de tudo isso podemos notar um gutural junto do lindo vocal dessa linda mulher que consegue sempre surpreender pela sua capacidade única e que consegue mostrar que ela consegue ir do lado mais agudo possível para algo mais calmo, mais leve, uma vocalista realmente excelente.

Sanna Salou também fez parte da banda “Emerald Sun” também. Hoje ela não está mais na Dimlight, mas continua mostrando sua qualidade e talento como vocalista na banda Oracles Cult.




Postado por Renan Martins